Fisioterapia

Anamnese Motivacional: Uma Ferramenta dos Profissionais de Saúde

Você sabe o que vem a ser uma anamnese motivacional?

Estamos em uma época onde a saúde se faz cada vez mais importante!
Com a idade e até mesmo pelo desgaste corporal, um indivíduo pode adquirir problemas de saúde, ter dores crônicas, sentir dores nas costas, dor de coluna e em outras partes do corpo, que acaba prejudicando a boa performance.

A anamnese vem como parceira para a solução desses problemas e para que possamos transmitir o verdadeiro entendimento e necessidade dela ser feita, precisamos partir do princípio de sua explicação, ou seja, qual sua importância e indicações.
Vamos lá?

Do que se trata então a anamnese?

Se trata de um histórico que informa todos os sintomas sentidos pelo paciente. A anamnese é diferente do exame físico, mas possui grande valor para profissionais de saúde e pacientes, pois é onde são resumidos aspectos que impactam o paciente.

Como acontece o processo de anamnese?

O especialista em questão fará uma série de perguntas para o paciente. Como se fosse uma entrevista. Dessa forma, o profissional da área da saúde, começa a fazer o diagnóstico de forma precisa e detalhada.
Dentro dessa anamnese corporal, o profissional de saúde identificará a doença, bem como conseguirá traçar todas as suas causas, podendo passar o melhor tratamento para o paciente.

Nessa anamnese vários aspectos, como hábitos, rotina, incômodos, de natureza física e emocional serão todas avaliadas. Assim, qualquer área da saúde poderá ser beneficiada, já que a anamnese é indicada em qualquer quadro clínico e em qualquer área da saúde.
Para se ter uma breve visão de como acontece a anamnese motivacional, demonstraremos alguns passos, como:
• Identificação do paciente.
• Hábitos do paciente.
• Suas queixas iniciais.
• História da doença.
• Histórico familiar de doenças.
• Histórico pessoal de doenças.
• Exames físicos.
• Checagem Emocional.
• Diagnóstico.

Anamnese motivacional

Quando um profissional da saúde trabalha com a anamnese positiva, ele “vai tocar” nas dores do paciente. E o que isso quer dizer?
Que serão analisados todos os fatores que possam ter levado aquele indivíduo ao atual estado de dores.
Depois disso analisado, o profissional deve levar o paciente a ter uma visão positiva de futuro.
Como assim?
O profissional precisa primeiro estimular o paciente a ver ações benéficas, numa realidade desejada, diferente da atual. Exemplo:

“Josefa, imagine poder praticar esportes, ou viajar sem o uso da bengala, ou ainda podendo brincar com seus netos, sem sentir dores nas costas”!

Ou seja, na anamnese positiva, o profissional de saúde deve conduzir o paciente numa visão de si mesmo de forma melhorada. Com uma vida saudável e sem dores.

Quando essa projeção é exposta, logo o paciente se vê motivado a ter um futuro diferente e sem dores. Isso quer dizer que ele terá objetivos para poder melhorar, tendo assim redução no abandono do tratamento e maior acompanhamento com o especialista em questão.

Assim é chamada de anamnese motivacional ou anamnese positiva, já que o profissional de saúde deverá sempre mostrar o lado positivo, onde o paciente terá sim, uma vida saudável, mais produtiva, com menos cansaço e desmotivação.
Portanto, a partir dessas indicações, é que o profissional terá condições equilibradas de orientar o melhor tipo de tratamento para cada caso.

Ficou claro? Tem alguma dúvida? Entre em contato conosco e ficaremos felizes em esclarecer sua dúvida!

Faça GRATUITAMENTE um diagnóstico de competências profissionais! Agende o seu horário:

Cursos na área da saúde
Fisioterapia : Abordagem integrativa.

Dores musculares, distúrbios e disfunções articulares, inflamações constantes e alterações posturais estão entre os sintomas de maior recorrência e busca pela intervenção das técnicas em Fisioterapia . Pacientes que cobram do fisioterapeuta tratamentos não convencionais, uma vez que seus sintomas surgiram a partir de questões integradas aos setores mais amplos de suas vidas.

Quadros deste tipo exige do Fisioterapeuta relações interdisciplinares com outros profissionais, qualificando tratamentos e criando novos campos de atuação.

 

De uma forma geral a fisioterapia contempla uma modalidade que é denominada de terapia manual que é caracterizada especificamente pela aplicação das mobilizações e manipulações articulares, cujos principais objetivos são tratar as disfunções articulares que limitam a amplitude de movimento que podem ter sua origem devido a alterações estruturais ou mecanismos de defesa do corpo que irão levar a um quadro de disfunções como perda da mobilidade e alterações musculares. O futuro dos profissionais de saúde e de além do conhecimento da sua área de atuação bem estabelecido, precisa conhecer para indicar no momento devido a contribuição de outros profissionais realizando um trabalho integrado.

Para melhor compreensão desta abordagem, citaremos alguns exemplos que aproximam a fisioterapia de uma abordagem mais integrativa e multidisciplinar.

 

Fisioterapia e Psicologia: Um corpo e mente saudável

 

Já parou para pensar que durante o ano, em momentos de festas ou de tensão é comum surgir doenças musculares? Muitas vezes, devido o stress do dia a dia, podem surgir dores musculares, nódulos e até o enrijecimento dos músculos, ocasionados por fatores emocionais. Sintomas as vezes simples, mas podem tornar-se graves e crônicas. Através de um acompanhamento psicológico associado ás técnicas especificas da fisioterapia manual, o paciente poderá de forma mais rápida solucionar as dores corporais, muitas vezes ocasionadas por fatores emocionais. Os resultados costumam ser muito eficientes, além de, serem comprovados cientificamente.

 

Fisioterapia e Nutrição

 

Todos os dias nosso organismo trabalha renovando milhões de células em diferentes órgãos. Para que isso ocorra, seu corpo precisa de nutrientes, que são obtidos a partir de uma alimentação balanceada. Também é interessante notar que certos alimentos podem desencadear ou mesmo agravar um processo inflamatório no corpo. O estado de inflamação no corpo ocasiona uma necessidade do corpo em se adaptar a essa nova condição, fazendo com que as intervenções fisioterapêuticas não tenham o sucesso esperado sem que haja também um equilíbrio nos hábitos alimentares do paciente.

 

Fisioterapia e Odontologia

 

A relação entre a articulação temporomandibular (ATM) deve ser considerada, uma vez que disfunções nesses processos podem ocasionar complicações não apenas no pescoço como também na coluna vertebral e demais segmentos corporais. Hábitos diários simples como o processo de abrir e fechar a boca, como o falar, o comer, o beber, o beijar, o sorrir e o bocejar, podem gerar repercussões negativas que serão traduzidas em dor e tensões musculares. Este fator pode ser comprovado a partir do mapa da oclusão desenvolvido pelo Conceito SIN (saúde integrativa), que correlaciona tensões musculares específicas com o desequilíbrio em dentes específicos. Essas alterações serão responsáveis pela diminuição da mobilidade corporal e consequentemente quando não restauradas comprometem qualquer técnica manual realizada no intuito da sua normalização.

Atm e postura

Conclusão

 

Diante desses fatos a Fisioterapia integrativa, que como o nome já diz, integra outras áreas, profissionais e novas metodologias com o intuito de melhorar ou até mesmo acelerar o tratamento de diversas patologias. Desta forma o tratamento com base apenas nas técnicas manuais e recursos específicos se tornam incompletos e necessitam da troca de conhecimento interdisciplinar que trarão resultados mais rápidos e eficazes.

Essa é a proposta do Conceito SIn! Trazer o paciente para o centro da atenção! Permitir a troca de experiência de fisioterapeutas, dentistas, psicólogos, médicos, nutricionistas dentre outros profissionais de saúde, para beneficiar sempre o paciente com um atendimento integrativo. Quer participar do maior e mais completo programa de treinamentos para profissionais da saúde? Clique aqui!

Como se destacar na carreira de fisioterapeuta
Como se destacar na carreira de fisioterapeuta

Quando você escolhe uma profissão é por um motivo em especial, não é mesmo?

  • Por amor a atividade.
  • Por afinidade
  • Pelo que ela tem a oferecer a você.

Muitos são os motivos, mas a verdade é que ninguém escolhe ser apenas mais um na multidão.

Você como fisioterapeuta, também deve ter os seus sonhos e ideais profissionais e como muitos outros, deseja se destacar frente ao mercado de trabalho, mas será que você está tendo as atitudes corretas para que seu diferencial apareça?

Pois é, mais que vontade é necessário ter iniciativa e muito engajamento para não deixar que a mesmice o engula e leve você a passar despercebido pelo seu ramo de atuação.

Mas, para tudo há uma solução, acompanhe o texto e torne-se uma autoridade no ramo da fisioterapia.

Especialize-se

Se você quer alcançar o seu lugar ao sol e ter sucesso profissional como um renomado fisioterapeuta, precisa saber e acreditar na importância da especialização.

Imagine, quando você cursou a sua faculdade, quantos se formaram com você?

Agora reflita, como você quer ser destacar oferecendo apenas o básico, complicado, não acha?

Para ir além, é preciso saber mais e melhor e para isso é necessário se dedicar ao aprendizado constante e aprofundado na área que deseja se destacar dentro do ramo de atuação da fisioterapia.

Novas técnicas, descobertas recentes, diferentes maneiras de aplicar o seu conhecimento, tudo que agregar valor ao seu trabalho, não será em vão na hora de enfrentar o mercado de trabalho.

Lembre-se, aquela tão sonhada oportunidade, pode estar a uma especialização de distância entre você e a concorrência.

Um novo olhar sobre a saúde

Uma boa dica para aqueles que desejam ser profissionais de sucesso é:

Mantenha a mente aberta, construa e reconstrua sua visão sobre como e quando realizar o seu trabalho, para construir e consolidar a sua imagem diante do mercado.

Saúde integrativa, qual é a sua visão sobre esse tema?

É importante salientar que as estruturas da saúde estão em plena mudança e que um olhar integral e humanizado para promover melhores resultados nos tratamentos fisioterápicos, é uma grande ferramenta para agregar valor à sua carreira e impulsionar você rumo ao sucesso.

Saúde integrativa tem como princípio o olhar total para o paciente, tratando-o de forma única e completa com base em 4 pilares fundamentais, que são:

  • Alimentação saudável.
  • Estilo de vida.
  • Mobilidade corporal
  • Equilíbrio emocional.

É ouvir, observar, entender e acatar as necessidades e vontades do outro com foco em promover melhores resultados durante o tratamento proposto, agora pense, você como paciente gostaria da saúde integrativa?

Marketing pessoal, seja a imagem do seu sucesso!

Se você quer se destacar, não seja apenas um profissional de fisioterapia, seja O profissional de fisioterapia, construa sua marca no mercado e garanta seu lugar sempre na frente da concorrência.

Afinal de contas, o mercado é acirrado, todos os dias surgem mais e mais profissionais e pequenos detalhes podem diferenciar você de outro profissional na hora de atrair e fidelizar sua clientela.

Por isso fique atento aos seguintes pontos:

  • Esteja sempre vestido de acordo com contexto do momento.
  • Pontualidade é fundamental e muito praticado pelos profissionais de sucesso.
  • Ética e transparência devem andar lado a lado com seu progresso profissional.
  • Cordialidade e empatia são habilidades que valem a pena ser desenvolvidas.
  • Conhecimento e domínio do seu ramo devem ser demonstrados de maneira apropriada.

E por fim, acredite no seu potencial e desenvolva suas habilidades, com uma boa especialização, um olhar integral sobre a saúde e um marketing pessoal de qualidade seu futuro profissional alcançará as estrelas!

ACESSE AQUI E VEJA: https://metodosin.com.br/blog/treinamento/

Dor e suas consequências

A dor é uma das experiências mais antigas e mais compartilhadas no mundo. A dor nos mantém vivos, nos ajuda a evitar mais dores e lesões .  Nossa percepção de dor é uma combinação de expectativa anterior mais sensação real. Este sistema é eficiente para nosso cérebro, porque resulta em uma rápida avaliação e reação, mas pode ter suas desvantagens.

A dor de acordo com a IASP ( International Association for the Study of Pain ) é uma Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos.

A expressão da dor varia não somente de um indivíduo para outro, mas também de acordo com as diferentes culturas na qual ele está inserido.

O surgimento de dor é crescente no mundo e podemos listar uma série de causas :

Estilo de vida;

Maior longevidade;

Modificações do ambiente em que vivemos

Novos conhecimentos sobre os mecanismos de dor

Além de gerar estresses físicos e emocionais para os doentes e para os seus cuidadores, a dor é razão de fardo econômico e social para a sociedade.

A pessoa que possui dor crônica tem crenças que podem influenciar a adesão ao tratamento, piora da incapacidade e tamanho da dor. Essas crenças são noções pré-existentes ​​e culturalmente aprendidas sobre situações, eventos, pessoas e ideias.  A maneira pela qual “entendemos” algo e os significados que atribuímos a ele influenciam nossas emoções e comportamentos em relação a tais situações.

O medo de se movimentar é chamado de “Cinesiofobia” é uma situação em que as pessoas desenvolvem medo porque possuem a crença que o movimento é a causa da dor e da piora da lesão. A resposta a esta crença é evitar o movimento e se concentrar nos comportamentos de imobilidade (repouso) que acabam gerando mais incapacidade.

É importante também lembrarmos que na dor aguda, iremos tender a se movimentar pouco com a idéia de curar a lesão e isso é perfeitamente aceitável e justificável. Porém na dor crônica esse tipo de postura diante da dor não se justifica e acaba levando a novos problemas que podem ser funcionais, emocionais e sociais.

Evidentemente nem todas as pessoas com dor crônica vão desenvolver medo do movimento, portanto se a experiência de dor não for percebida como uma ameaça, ela pode ser enfrentada pelo indivíduo.

Caso o comportamento de evitação do movimento se torne persistente, este indivíduo pode  apresentar diversos problemas musculoesqueléticos como síndrome como a fadiga, ansiedade, hipervigilância, depressão e piora do quadro da dor. Portanto quanto mais medo,mais crenças a pessoa tiver, mais dor ele irá apresentar, independentemente da presença de uma lesão real ou não.

Essa situação está descrita na literatura como “modelo de evitação e medo. Dentro do modelo de evitação e medo devem‐se considerar todos os fatores relacionados, como a intensidade da dor e história prévia ; em conjunto com os comportamentos de hipervigilância/atenção à dor e comportamentos de evitação, isso pode determinar a evolução do transtorno e a resposta ao tratamento

A estratégia utilizada pelo profissional do conceito SIN é usar neste indivíduo estratégias específicas para identificar quais são as crenças e medos apresentadas e trazer para uma realidade que ele possa visualizar sobre o quanto o medo e as crenças mal condicionadas estão prejudicando ele e não somente nos sintomas de dor.

 

Neste ponto interferimos de forma gradual e desconstruir as idéias pre-existentes e expor ele a uma vida mais ativa, com mobilidade e eliminar a relação da crença e dor.

 

As últimas evidência científicas mostram que os fatores sociais e cognitivas são tão ou mais importante que os fatores físicos na transição entre a dor aguda e crônica . Muitos dessas crenças dos pacientes são geradas por informações dadas por profissionais da saúde que insistem em justificar a dor apenas por alterações estruturais, principalmente aquelas que são mostradas em exames de imagem e se torna fundamental que  a pessoa possa voltar a confiar no corpo dele e mudar essa imagem negativa , diminuindo a cinesiofobia e catastrofismo e com isso acontece a mudança do seu comportamento.

Algo muito importante é entender que a mudança de crença gera mudança em comportamento e mudança de comportamento é algo muito mais efetivo do que qualquer técnica de manipulação ou exercício se não houver mudança de comportamento essas técnicas passam a ter um resultado apenas a curto prazo e não a longo prazo.

Embora ainda haja uma série de questões não resolvidas que merecem atenção futura, o medo e evitação relacionados à dor parecem ser uma característica essencial do desenvolvimento de um problema crônico para um número considerável de pessoas com dor musculoesquelética.

Desta forma se faz mais que necessário que ao avaliar um paciente com quadro de dor é fundamental uma visão integrativa, considerando todos os pilares da saúde principalmente o pilar da “inteligência emocional”, onde o profissional pode atuar e realmente gerar mudanças na saúde do paciente de forma global e de forma mais assertiva no comportamento doloroso do paciente e o ajudando a ser agente importante no controle da dor.

Essa é a proposta do Conceito SIn! Trazer o paciente para o centro da atenção! Permitir a troca de experiência de fisioterapeutas, dentistas, psicólogos, médicos, nutricionistas dentre outros profissionais de saúde, para beneficiar sempre o paciente com um atendimento integrativo. Quer participar do maior e mais completo programa de treinamentos para profissionais da saúde? Clique aqui!
engajar o paciente
Como engajar o paciente no tratamento

Dentro de um ambiente clínico, engajar o paciente e motivá-lo são estratégias fundamentais para criar melhores resultados dos problemas e buscar uma autonomia maior do paciente. Atualmente os profissionais de saúde precisam ser um meio entre a busca do paciente e sua saúde, principalmente aqueles que trabalham com dor e incapacidades físicas.

Com o mundo cada vez mais globalizado as informações através da internet podem ser um recurso que criam uma autonomia maior para o paciente tornando mais engajado e menos dependente, já se fala muito sobre Telemedicina e uso de tecnologia para auxiliar no tratamento e reduzir o custo para o paciente e uma melhor qualidade de atendimento, mas precisamos melhorar a comunicação e a qualidade nesse modelo de atendimento.

Em uma pesquisa de 2010, foi analisado quais foram as principais barreiras que impediam o paciente de aderir ao tratamento ou abandonar no meio do caminho em relação aos aspectos clínicos. Nesse artigo, embora tenha sido realizado com pacientes de fisioterapia, o tema deve ser visto, apreciado e estudado por todos os profissionais de saúde. As análises serão alinhadas, ponto a ponto, com a visão da saúde integrativa. Quais estratégias podem ser aplicadas para auxiliar os profissionais da saúde a gerar uma motivação e melhorar a qualidade do resultado e a satisfação do paciente.

Implicações clínicas

Dor

Uma das principais barreiras para aderência do paciente é conseguir tratar a dor e introduzir exercícios e um maior nível de atividade física. As estratégias iniciais são muito importantes e mesmo a utilização de recursos passivos, como técnicas manuais e recursos com agulhamento e eletroterapia. É preciso, no entanto, rapidamente criar estratégias mais ativas com utilização de exercícios para o paciente conseguir gerenciar e participar mais do processo terapêutico.

Esse fato passa por uma abordagem terapêutica que trabalhe a ansiedade e crenças do paciente para que ele busque uma maior autonomia na sua movimentação.

A introdução de um programa de exercícios para o paciente mostra um maior comprometimento e uma proatividade maior do paciente, o profissional da saúde precisa ser claro e eficaz na comunicação das suas instruções, gerando uma perspectiva para o paciente de autonomia da sua saúde, e de extrema importância avaliar qual exercício e o nível que o paciente se encontra para ser mais assertivo.

Plano de ação

O papel principal do profissional da saúde é a educação e informação do paciente, explicar as estratégias que serão empregadas em cada fase do tratamento implica em criar uma rotina de exercícios domiciliares, com o nível de cada paciente , criar um controle para o paciente gerar o hábito e para manter dentro da sua rotina diária os exercícios.

engajar o paciente

O plano de ação criado pelo profissional da saúde deve conter orientações de como deverá ser os movimentos e detalhes dos exercícios para engajar o paciente.

Uma das principais barreiras que impede o engajar do paciente aos tratamentos é a baixa da confiança de superar obstáculos e sair da sua Zona de conforto, o terapeuta deverá “empoderar” o paciente, empoderar consiste em estimular o paciente através de uma abordagem que ele acompanhe sua evolução.

Uma das formas de identificar o ponto principal para o paciente através de reavaliações periódicas como ele se encontrava e como está seu estado atual e criar um plano de ação em busca de metas e objetivos.

Estado Emocional

Aspectos como ansiedade, depressão e desamparo devem ser identificados pelo profissional. Os aspectos emocionais interferirão diretamente sobre os resultados almejados. A identificação do estado emocional do paciente e como ele se sente em relação a suas incapacidades e dores pode ser o ponto principal a ser trabalhado pelo profissional da saúde. Tal trabalho é de grande integração com outros profissionais como psicólogos e coaches.

Uma ação levada em consideração pelos paciente é a socialização através de grupos de exercícios, essa interação social trabalha diretamente sobre a motivação e o incentivo a práticas de exercícios,

O contato social seria uma saída interessante para o paciente interagir com outras pessoas  e ser estimulado a mudar seus hábitos em relação a exercícios principalmente em ambientes com um contato maior com a natureza.

Um aspecto interessante de engajar o paciente ao tratamento será como ele prioriza sua saúde, cabe ao profissional de saúde revelar ao paciente a importância de reservar tempo de qualidade para cuidados de saúde, sendo que um prejuízo futuro poderá ocorrer se naquele momento o paciente não disponibiliza tempo e dedicação ao seu tratamento, um aspecto interessante e fazer o paciente refletir qual o ganho de qualidade de vida e rendimento se a sua saúde estiver em pleno funcionamento.

Essa artigo reforça a importância de uma avaliação integrativa, considerar o paciente como um todo no campo físico, emocional e seu estilo de vida,  motivar e criar estratégias que possam ser implementadas para melhor engajar o paciente e comprometê-lo com o tratamento, o papel do profissional da saúde e promover a saúde do paciente em todas as áreas e trabalhar de forma integrada com diversos profissionais para ser mais assertivo na sua conduta.

O Conceito SIn é a maior e mais completa proposta de integração clínica na área da saúde. Conheça o nosso treinamento clicando aqui!

BAIXAR O ARTIGO FONTE DO ESTUDO

desempenho físico dos atletas
Desempenho físico dos atletas: como a ATM pode interferir?

Sabe-se que os problemas oclusivos exercem grande influência no desempenho físico dos atletas, determinando grandes prejuízos a sua performance. As dores causadas pela DTM (disfunção têmporomandibular), transtorno causado por tensão excessiva em articulações ou músculos envolvidos no ato de morder, podem atrapalhar o rendimento diário de diversas pessoas, inclusive dos atletas.

O desempenho físico dos atletas pode estar associado ao bem estar de outras partes do corpo, especialmente a coluna, membros inferiores e superiores. Determinadas práticas esportivas, como a prática do remo, de artes marciais, determinam movimentos explosivos, neste momento, o atleta tende a apertar os dentes e este hábito, quando em desequilíbrio da oclusão, pode desencadear a DTM.

A tensão excessiva é apenas um dos fatores desencadeantes da DTM, que também pode estar associada ao bruxismo, ruídos na ATM (articulação temporomandibular), dificuldade de abertura e fechamento da boca, dores na mastigação, mastigar apenas de um lado da mandíbula, promovendo uma sobrecarga na musculatura ou articulação da face, que pode levar a uma alteração postural.

Lesões esportivas e desequilíbrios posturais

Estudos evidenciam que a incidência de lesões esportivas está diretamente relacionada com alterações nos desequilíbrios posturais em atletas. Isso reforça a importância de um tratamento de re-equilibração do tônus postural global. Somente uma avaliação de movimentos quantitativa e principalmente qualitativa pode deixar clara a associação existente entre os músculos e as articulações.

A partir do século XIX, muitos eventos foram descobertos sobre a postura, como a função dos olhos, a influência do vestíbulo e da musculatura, outros estudos mostraram que alguns problemas de desequilíbrios posturais estão interligados com a cavidade oral.

Uma estrutura fundamental na postura é a ATM, que é a articulação por meio da qual o crânio se relaciona com a mandíbula, também influencia na mastigação, deglutição, respiração, por isso que uma disfunção nesta articulação pode levar a queda de desempenho físico dos atletas e alterações de saúde, refletindo em dores no corpo.

Não se sabe ao certo a etiologia da DTM, sabe-se que é multifatorial e que pode estar associada a fatores funcionais, estruturais e psicológicos, desta forma, o tratamento integrado deve ser aplicado, para se alcançar êxito, devolver a performance e o desempenho físico dos atletas e melhorar a qualidade de vida.

Importância do posicionamento correto mandibular

O equilíbrio bucal vai muito além de fatores estéticos, pois pode ajudar tanto na correção de desequilíbrios posturais como no desempenho físico dos atletas.

O desequilíbrio nas ATMs pode atrapalhar a passagem de ar, provocar problemas na coluna cervical e acarretar diversos distúrbios em diferentes regiões do corpo.

É importante entender o posicionamento da mandíbula para poder realizar o diagnóstico de problemas que vão muito além da boca. Uma adequada oclusão está relacionada com os aspectos funcionais de pleno contato entre os dentes, relaxamento dos músculos ao redor da ATM e adequada relação cêntrica do côndilo mandibular.

Procedimentos odontológicos mal conduzidos como próteses dentárias desadaptadas, restaurações com contatos prematuros ou sem contatos, ausências de dentes, desajustes oclusais, mal posicionamento dentário, discrepâncias esqueléticas, presenças de cáries e doença periodontal, podem levar ao desequilíbrio e refletir no inadequado posicionamento mandibular e postural. Assim, o sistema mastigatório é considerado integrado neurologicamente com propriocepção, visual, equilíbrio e controle postural de todo corpo.

Estas alterações bucais podem causar ainda tensões musculares na coluna cervical, podendo culminar em dores reflexas no ombro, no joelho, na região cervical e/ou lombar. Sendo, desta forma, imprescindível a visão da saúde integrativa no contexto de diagnóstico e tratamento do paciente.

Tratamento integrado

A fisioterapia por muito tempo tratou das diversas dores no corpo com uma infinidade de técnicas e métodos. Entretanto, em muitas dessas abordagens, não se buscava a origem e causa da dor, tratava-se apenas os sintomas. Por vezes, obtinha-se resultados satisfatórios, porém momentâneos, logo a dor aparecia novamente.

A princípio não se integrava a possibilidade das dores reflexas no corpo estarem associadas a questões oclusais e vice-versa. Por muito tempo, esta questão bucal influencia negativamente no desempenho físicos dos atletas sem que os mesmos saibam a origem da baixa performance ou índice de lesões.

Na odontologia também não foi diferente, por muitas vezes tratou-se o sintoma do paciente e não a causa. Realizar tratamentos odontológicos e ajustes oclusais avaliando a mobilidade corporal do paciente é algo extremamente inovador e de extrema relevância, trata-se do compartilhamento de conhecimentos e responsabilidades na busca da melhor conduta e eficiência dos resultados.

O idealizador do Conceito SIN – Saúde Integrativa, Prof. Leonardo Machado descobriu o mapa oclusal, onde verificou que determinados grupos dentários quando não bem articulados desencadeavam hipomobilidade corporal, impedindo que o indivíduo executasse livremente determinados movimentos de flexão, extensão e torção, determinando tensões musculares, que refletem em dores nas diversas regiões do corpo, que limita o movimento e reflete na queda de desempenho físico dos atletas.

Na visão da saúde integrativa tanto o fisioterapeuta como o dentista apresentam recursos clínicos capazes de diagnosticar a presença de questões oclusais que podem estar interferindo na mobilidade corporal ou até mesmo refletindo dores em determinadas articulações como ombro e joelho.

Uma avaliação criteriosa, um diagnóstico preciso e uma conduta de tratamento interprofissional bem executada leva ao sucesso e devolve o desempenho físico dos atletas. Sendo diagnosticado o fator oclusal, o dentista avaliará todo sistema estomatognático, verificará as necessidades dos diversos procedimentos odontológicos necessários para proporcionar o equilíbrio deste sistema.

Busca-se com a avaliação integrada, o correto diagnóstico e o tratamento do paciente como um todo. O dentista procurará a estabilização da oclusão, o melhor posicionamento da mandíbula, seja através de reabilitação com próteses dentárias, ajustes oclusais, ortodontia ou instalação de dispositivos intra-orais personalizados, para com isto, retirar a causa das dores e otimizar o desempenho físico dos atletas.

Dispositivo intraoral e desempenho físico dos atletas

O dispositivo intraoral é específico para cada pessoa, os ajustes oclusais são realizados de acordo com as necessidades e características apresentadas no exame clínico, são testados segundo a mobilidade corporal, através dos teste qualitativos idealizados pelo Conceito SIN. O dispositivo estará adequado para o uso quanto não houver travamento dos movimentos do corpo.

Após o uso do dispositivo intra-oral, os atletas e pessoas em geral apresentam um melhor rendimento nas atividades físicas e laborais, sentem o corpo mais leve, “menos travado”, mais equilibrado e redução de determinadas dores de forma significativa.

Assim, a modulação da oclusão pode influenciar na propriocepção e assim obter ganhos no controle postural, equilíbrio, estabilização, performance esportiva, melhora da configuração do arco plantar, agilidade, força lombar e no desempenho físico dos atletas. Vale salientar que as respostas são individuais respeitando fatores de estimulação e do próprio ser.

Mas será que a oclusão é a solução para todos os problemas?

Estamos envolvidos num contexto social, a questão oclusal, é apenas um fator que pode desencadear a DTM, que reflete no desempenho não só físico, como também pessoal e profissional. Na verdade, para alcançarmos o melhor desempenho, deve-se trabalhar todos os pilares de saúde, desde o equilíbrio emocional, ao estilo de vida, adequada alimentação, para assim conseguirmos êxito na mobilidade corporal e alcançarmos excelência na performance e qualidade de vida.

Faça parte do maior e mais completo programa de treinamento para profissionais da saúde! Inscreva-se agora nas próximas turmas clicando aqui!

 

Saúde Integrativa
Entenda o que é saúde integrativa e sua revolução nos consultórios

Ir além da queixa inicial, dor ou qualquer outro sintoma do paciente, considerando tudo o que se refere a seus hábitos para propor uma transformação positiva em sua vida. Essa é uma das premissas do conceito SIn de saúde integrativa, que enxerga o paciente de forma global, não se restringindo a um tratamento pontual ou prescrição de medicamentos para a resolução de um problema ou patologia. Em resumo, é um tratamento para cuidar da saúde, e não da doença.

Ao adotar o conceito SIn, o profissional de saúde não fica limitado a sua especialidade. Faz um atendimento que leva em conta quatro aspectos de vivência do paciente: estilo de vida, emoções, alimentação e amplitude do movimento. Não fica restrito a um histórico de doenças, mas considera tudo o que se relaciona com os hábitos de vida atuais, para indicar um tratamento completo e multidisciplinar.

O objetivo é transformar de forma eficaz a saúde do paciente dali para a frente. Como se vê, o profissional de saúde está mais próximo de seu paciente, acompanhando toda a jornada de tratamento. Entenda mais!

Você vai analisar o corpo de forma global

Vamos dar um exemplo prático. Uma pessoa procura um profissional para tratar a dor na coluna. As consultas são realizadas, a dor cessa, mas passa um tempo e o paciente volta a sentir a dor. Parece que o problema não foi resolvido. Fica claro como tratar somente a queixa não foi suficiente nesse caso.

Agora, utilizando o conceito SIn, esse profissional pode ir além da dor, trabalhando com outras áreas da saúde. É a análise do corpo de forma global: será que não é preciso considerar fatores emocionais? Como é a rotina desse paciente? E sua alimentação? O que ele precisa fazer para mudar?

O conceito SIn de saúde integrativa tem embasamento científico e utiliza como ponto-chave a correlação entre todos os sistemas do corpo humano. Por isso, é uma nova tendência no atendimento de saúde de dentistas, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos, dentre outras especialidades da saúde. Para o paciente, isso significa receber um tratamento de transformação, que une o que mais funciona das terapias convencionais e complementares.

Alimentação de má qualidade, o estresse, ansiedade, depressão e sedentarismo são alguns dos fatores que o projeto integralista de saúde considera. O profissional de saúde vai esmiuçar o estilo de vida do paciente e propor um plano terapêutico para transformar essa realidade.

A proposta é de um tratamento de mudança de vida

A saúde integrativa propõe um tratamento para o presente e futuro! Aliás, o conceito SIn é revolucionário porque constatou que o insucesso no atendimento de saúde tradicional está justamente em considerar somente o histórico do paciente para indicar um tratamento pontual.

O profissional de saúde capacitado no conceito SIn não quer saber como seu paciente se comportou no passado, mas sim descobrir o que ele pode fazer agora e no futuro para ter qualidade de vida, ou seja, viver de forma plena e saudável.

Os especialistas nesse conceito explicam que se basear no passado é uma forma de culpar o paciente — e não é assim que se consegue eficácia em um tratamento de saúde. Isso porque corpo e mente andam juntos!

Ao considerar o futuro, o profissional de saúde motiva essa pessoa a mudar de vida, com novas atitudes. Ao se sentir encorajado para a mudança, o corpo trabalha a favor, produzindo substâncias como endorfina e serotonina, que têm um poder transformador e acabam ajudando na diminuição, por exemplo, da dor. O fator emocional tem influência direta na fisiologia do corpo. Viu como todo o organismo trabalha de forma integral?

Com esse formato de atendimento de saúde, o profissional aprende a trabalhar em conjunto e indicar seu paciente para outras áreas, conforme a necessidade. Essa troca de informações é importante tanto para o paciente quanto para quem faz o atendimento. São profissionais que vão falar a mesma língua, trabalhando em um tratamento integral.

A ciência mostra por que o conceito SIn é tão importante

Estudos científicos mostram como todo o corpo funciona de forma integral. Uma revisão literária de artigos concluiu, por exemplo, que a oftalmologia pode impactar os dentes. As conclusões publicadas no The Open Dentistry Journal, em 2016, mostraram a conexão entre a oclusão dental e a visão.

Outra relação é da cefaleia com a DTM (disfunção temporomandibular), ou seja, fica claro como uma queixa de dor de cabeça pode ser tratada de forma mais eficiente com o método de saúde integrativa.

Cada paciente deve ser tratado de forma única

Diferente do método tradicional de atendimento, em que uma medicação ou tratamento é direcionado para uma patologia, a saúde integrativa trata cada paciente como único. É embasada no conceito de bioindividualidade, ou seja, cada um apresenta necessidades alimentares e estilos de vida próprios.

Dessa forma, o profissional de saúde propõe um tratamento que realmente vá fazer a diferença porque foi planejado especificamente para aquele paciente.

Ao oferecer um tratamento baseado no conceito SIn, o profissional consegue conquistar e reter o paciente porque foi um agente de mudança em sua vida. O paciente é acolhido de forma humanizada, e não apenas sai da clínica com uma receita de remédio e uma lista de exames. E o pior: sem resolver efetivamente seu problema! Já está na hora de mudar esse tipo de intervenção!

Como o conceito SIn de saúde integrativa deve ser utilizado

Existe alguma metodologia para realizar atendimentos utilizando o conceito de saúde integrativa? Os profissionais de saúde que querem aprender a trabalhar com a saúde integrativa podem se inscrever agora nos cursos da empresa Conceito SIn. Os cursos oferecem orientações específicas e de sucesso para que você forneça um atendimento inovador em sua clínica.

Indicam como fazer a intervenção clínica, ter um relacionamento mais próximo com o paciente e fazer as mudanças no espaço físico de sua clínica. Ensinam também todas as técnicas para fazer um plano terapêutico e outros passos para capacitar o profissional de saúde nessa proposta que está transformando os consultórios.

Agora você já sabe como é possível conquistar mais pacientes atendendo de modo inovador! Conte-nos o que achou do conceito SIn deixando seu comentário abaixo!