Mobilidade

Cursos na área da saúde
Fisioterapia : Abordagem integrativa.

Dores musculares, distúrbios e disfunções articulares, inflamações constantes e alterações posturais estão entre os sintomas de maior recorrência e busca pela intervenção das técnicas em Fisioterapia . Pacientes que cobram do fisioterapeuta tratamentos não convencionais, uma vez que seus sintomas surgiram a partir de questões integradas aos setores mais amplos de suas vidas.

Quadros deste tipo exige do Fisioterapeuta relações interdisciplinares com outros profissionais, qualificando tratamentos e criando novos campos de atuação.

 

De uma forma geral a fisioterapia contempla uma modalidade que é denominada de terapia manual que é caracterizada especificamente pela aplicação das mobilizações e manipulações articulares, cujos principais objetivos são tratar as disfunções articulares que limitam a amplitude de movimento que podem ter sua origem devido a alterações estruturais ou mecanismos de defesa do corpo que irão levar a um quadro de disfunções como perda da mobilidade e alterações musculares. O futuro dos profissionais de saúde e de além do conhecimento da sua área de atuação bem estabelecido, precisa conhecer para indicar no momento devido a contribuição de outros profissionais realizando um trabalho integrado.

Para melhor compreensão desta abordagem, citaremos alguns exemplos que aproximam a fisioterapia de uma abordagem mais integrativa e multidisciplinar.

 

Fisioterapia e Psicologia: Um corpo e mente saudável

 

Já parou para pensar que durante o ano, em momentos de festas ou de tensão é comum surgir doenças musculares? Muitas vezes, devido o stress do dia a dia, podem surgir dores musculares, nódulos e até o enrijecimento dos músculos, ocasionados por fatores emocionais. Sintomas as vezes simples, mas podem tornar-se graves e crônicas. Através de um acompanhamento psicológico associado ás técnicas especificas da fisioterapia manual, o paciente poderá de forma mais rápida solucionar as dores corporais, muitas vezes ocasionadas por fatores emocionais. Os resultados costumam ser muito eficientes, além de, serem comprovados cientificamente.

 

Fisioterapia e Nutrição

 

Todos os dias nosso organismo trabalha renovando milhões de células em diferentes órgãos. Para que isso ocorra, seu corpo precisa de nutrientes, que são obtidos a partir de uma alimentação balanceada. Também é interessante notar que certos alimentos podem desencadear ou mesmo agravar um processo inflamatório no corpo. O estado de inflamação no corpo ocasiona uma necessidade do corpo em se adaptar a essa nova condição, fazendo com que as intervenções fisioterapêuticas não tenham o sucesso esperado sem que haja também um equilíbrio nos hábitos alimentares do paciente.

 

Fisioterapia e Odontologia

 

A relação entre a articulação temporomandibular (ATM) deve ser considerada, uma vez que disfunções nesses processos podem ocasionar complicações não apenas no pescoço como também na coluna vertebral e demais segmentos corporais. Hábitos diários simples como o processo de abrir e fechar a boca, como o falar, o comer, o beber, o beijar, o sorrir e o bocejar, podem gerar repercussões negativas que serão traduzidas em dor e tensões musculares. Este fator pode ser comprovado a partir do mapa da oclusão desenvolvido pelo Conceito SIN (saúde integrativa), que correlaciona tensões musculares específicas com o desequilíbrio em dentes específicos. Essas alterações serão responsáveis pela diminuição da mobilidade corporal e consequentemente quando não restauradas comprometem qualquer técnica manual realizada no intuito da sua normalização.

Atm e postura

Conclusão

 

Diante desses fatos a Fisioterapia integrativa, que como o nome já diz, integra outras áreas, profissionais e novas metodologias com o intuito de melhorar ou até mesmo acelerar o tratamento de diversas patologias. Desta forma o tratamento com base apenas nas técnicas manuais e recursos específicos se tornam incompletos e necessitam da troca de conhecimento interdisciplinar que trarão resultados mais rápidos e eficazes.

Essa é a proposta do Conceito SIn! Trazer o paciente para o centro da atenção! Permitir a troca de experiência de fisioterapeutas, dentistas, psicólogos, médicos, nutricionistas dentre outros profissionais de saúde, para beneficiar sempre o paciente com um atendimento integrativo. Quer participar do maior e mais completo programa de treinamentos para profissionais da saúde? Clique aqui!

Saúde Integrativa
Entenda o que é saúde integrativa e sua revolução nos consultórios

Ir além da queixa inicial, dor ou qualquer outro sintoma do paciente, considerando tudo o que se refere a seus hábitos para propor uma transformação positiva em sua vida. Essa é uma das premissas do conceito SIn de saúde integrativa, que enxerga o paciente de forma global, não se restringindo a um tratamento pontual ou prescrição de medicamentos para a resolução de um problema ou patologia. Em resumo, é um tratamento para cuidar da saúde, e não da doença.

Ao adotar o conceito SIn, o profissional de saúde não fica limitado a sua especialidade. Faz um atendimento que leva em conta quatro aspectos de vivência do paciente: estilo de vida, emoções, alimentação e amplitude do movimento. Não fica restrito a um histórico de doenças, mas considera tudo o que se relaciona com os hábitos de vida atuais, para indicar um tratamento completo e multidisciplinar.

O objetivo é transformar de forma eficaz a saúde do paciente dali para a frente. Como se vê, o profissional de saúde está mais próximo de seu paciente, acompanhando toda a jornada de tratamento. Entenda mais!

Você vai analisar o corpo de forma global

Vamos dar um exemplo prático. Uma pessoa procura um profissional para tratar a dor na coluna. As consultas são realizadas, a dor cessa, mas passa um tempo e o paciente volta a sentir a dor. Parece que o problema não foi resolvido. Fica claro como tratar somente a queixa não foi suficiente nesse caso.

Agora, utilizando o conceito SIn, esse profissional pode ir além da dor, trabalhando com outras áreas da saúde. É a análise do corpo de forma global: será que não é preciso considerar fatores emocionais? Como é a rotina desse paciente? E sua alimentação? O que ele precisa fazer para mudar?

O conceito SIn de saúde integrativa tem embasamento científico e utiliza como ponto-chave a correlação entre todos os sistemas do corpo humano. Por isso, é uma nova tendência no atendimento de saúde de dentistas, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos, dentre outras especialidades da saúde. Para o paciente, isso significa receber um tratamento de transformação, que une o que mais funciona das terapias convencionais e complementares.

Alimentação de má qualidade, o estresse, ansiedade, depressão e sedentarismo são alguns dos fatores que o projeto integralista de saúde considera. O profissional de saúde vai esmiuçar o estilo de vida do paciente e propor um plano terapêutico para transformar essa realidade.

A proposta é de um tratamento de mudança de vida

A saúde integrativa propõe um tratamento para o presente e futuro! Aliás, o conceito SIn é revolucionário porque constatou que o insucesso no atendimento de saúde tradicional está justamente em considerar somente o histórico do paciente para indicar um tratamento pontual.

O profissional de saúde capacitado no conceito SIn não quer saber como seu paciente se comportou no passado, mas sim descobrir o que ele pode fazer agora e no futuro para ter qualidade de vida, ou seja, viver de forma plena e saudável.

Os especialistas nesse conceito explicam que se basear no passado é uma forma de culpar o paciente — e não é assim que se consegue eficácia em um tratamento de saúde. Isso porque corpo e mente andam juntos!

Ao considerar o futuro, o profissional de saúde motiva essa pessoa a mudar de vida, com novas atitudes. Ao se sentir encorajado para a mudança, o corpo trabalha a favor, produzindo substâncias como endorfina e serotonina, que têm um poder transformador e acabam ajudando na diminuição, por exemplo, da dor. O fator emocional tem influência direta na fisiologia do corpo. Viu como todo o organismo trabalha de forma integral?

Com esse formato de atendimento de saúde, o profissional aprende a trabalhar em conjunto e indicar seu paciente para outras áreas, conforme a necessidade. Essa troca de informações é importante tanto para o paciente quanto para quem faz o atendimento. São profissionais que vão falar a mesma língua, trabalhando em um tratamento integral.

A ciência mostra por que o conceito SIn é tão importante

Estudos científicos mostram como todo o corpo funciona de forma integral. Uma revisão literária de artigos concluiu, por exemplo, que a oftalmologia pode impactar os dentes. As conclusões publicadas no The Open Dentistry Journal, em 2016, mostraram a conexão entre a oclusão dental e a visão.

Outra relação é da cefaleia com a DTM (disfunção temporomandibular), ou seja, fica claro como uma queixa de dor de cabeça pode ser tratada de forma mais eficiente com o método de saúde integrativa.

Cada paciente deve ser tratado de forma única

Diferente do método tradicional de atendimento, em que uma medicação ou tratamento é direcionado para uma patologia, a saúde integrativa trata cada paciente como único. É embasada no conceito de bioindividualidade, ou seja, cada um apresenta necessidades alimentares e estilos de vida próprios.

Dessa forma, o profissional de saúde propõe um tratamento que realmente vá fazer a diferença porque foi planejado especificamente para aquele paciente.

Ao oferecer um tratamento baseado no conceito SIn, o profissional consegue conquistar e reter o paciente porque foi um agente de mudança em sua vida. O paciente é acolhido de forma humanizada, e não apenas sai da clínica com uma receita de remédio e uma lista de exames. E o pior: sem resolver efetivamente seu problema! Já está na hora de mudar esse tipo de intervenção!

Como o conceito SIn de saúde integrativa deve ser utilizado

Existe alguma metodologia para realizar atendimentos utilizando o conceito de saúde integrativa? Os profissionais de saúde que querem aprender a trabalhar com a saúde integrativa podem se inscrever agora nos cursos da empresa Conceito SIn. Os cursos oferecem orientações específicas e de sucesso para que você forneça um atendimento inovador em sua clínica.

Indicam como fazer a intervenção clínica, ter um relacionamento mais próximo com o paciente e fazer as mudanças no espaço físico de sua clínica. Ensinam também todas as técnicas para fazer um plano terapêutico e outros passos para capacitar o profissional de saúde nessa proposta que está transformando os consultórios.

Agora você já sabe como é possível conquistar mais pacientes atendendo de modo inovador! Conte-nos o que achou do conceito SIn deixando seu comentário abaixo!

Você Ainda Continua Fazendo Alongamento?

O que acontece no alongamento?

Você já prescreveu ou realizou algum exercício de alongamento em seus pacientes? Eu sei que a pergunta pode parecer óbvia mas uma reflexão profunda sobre esses exercícios merecem uma análise muito mais detalhada.

Os músculos estriados mostram uma capacidade impressionante de se adaptar rapidamente a mudanças em suas exigências fisiológicas! Isso tudo através dos estímulos estáticos e dinâmicos! Diversas estruturas, dentre elas, as suas unidades de construção funcionais, os sarcômeros vão se adaptar a esses estímulos.

Os sarcômeros são caracterizados através de um acordo paralelo de filamentos grossos de miosina que deslizam ao longo de filamentos finos de actina. A sobreposição adequada de actina e miosina é fundamental para a contração muscular ativa. Produzirão assim a máxima força em um comprimento ideal.

Quando esticada além do limite fisiológico, músculos esqueléticos respondem através da sarcogênese. A sarcogênese é a criação e deposição em série de novas unidades de sarcômero, para retornar gradualmente ao seu regime de funcionamento ideal.

Pela primeira vez, um estudo colocou em discussão um modelo mecanicista para a sarcomerogênese induzida por estiramento. Neste, o alongamento muscular crônico é caracterizado por uma variável interna, o número de sarcômeros em série. Um estudo que busca entender o alongamento elástico e inelástico, macroscópico e microscópico e ao comprimento do sarcômero.

Na escala microscópica, o tensionamento muscular crônico vai além do limite fisiológico de criar grandes comprimentos de sarcômero. Por sua vez, induzem a deposição de sarcômeros em série. O aumento resultante provoca uma restauração crônica do comprimento inicial do sarcômero.

Na escala macroscópica, a deposição de sarcômeros em série induz uma redução crônica do trecho elástico. Isso reduzirá, gradualmente, a tensão passiva. Um fenômeno semelhante ao relaxamento da tensão clássica.

No modelo proposto se sugere que o alongamento gradual é menos invasivo do que um único processo de estiramento.

O objetivo final seria maximizar o crescimento muscular induzido pelo estiramento. Fazer com que o músculo permaneça sempre dentro de uma gama de funcionamento fisiologicamente razoável. Cronicamente, o modelo aqui apresentado poderia servir como uma ferramenta de escolha para prever a adaptação do músculo a longo prazo.

O que fica claro é que as adaptações estruturais que se instalam no sistema músculo-esquelético não se darão de forma imediata.

Os únicos efeitos que podem, de forma clara e objetiva, se darem nas manobras de “alongamento” são aquelas relacionadas à diminuição do tônus.

Essa diminuição pode ser obtida através do Conceito SIN pela interpretação dos sinais de hipertonicidade oriundas do sistema gastrointestinal, estomatognático, visual dentre outros.

Receba dicas, conteúdos e informações de valor através do nosso site. Cadastre-se agora em nosso site! É GRATUITO!

Dor Miofascial: Como Explicar?

A dor miofascial é extremamente comum em consultórios de fisioterapia, reumatologia e ortopedia. A etiologia ainda é incerta. Alguns estudos sugerem uma origem central enquanto outros defendem uma origem periférica. Já existem evidências de que a sensibilização do sistema nervoso central e a hiperalgesia seja a soma temporal da dor em uma área específica do cérebro. Outra hipótese sugere um processamento facilitado de mensagens de dor no sistema nervoso central, talvez manifestada por reorganização neural no cérebro, tronco cerebral e da medula espinhal.

A teoria periférica sugere, em contrapartida, que a dor miofascial seja devida a uma alteração da inervação ou da estimulação do nervo envolvido na musculatura ou na fáscia. Esta teoria baseia-se na hipótese de que a fáscia poderia ser considerada como um órgão proprioceptivo, e que pode ser alterada por trauma, cirurgia e/ou excesso de uso.

Está bem demonstrado que a fáscia é rica em inervação, incluindo proprioceptores, bem como uma abundante rede vascular e linfática. É aqui que os modelos puramente mecânicos começam demonstrar certo grau de fragilidade.

A literatura procura, a todo o instante, apontar um vilão. Entretanto, as disfunções corporais devem ser apresentadas em um escopo de disfunções multifatoriais. O grau de intoxicação e de inflamação do corpo responde, na maior parte das vezes, a um fenômeno global e raramente local.

As camadas de tecido conjuntivo frouxo separam diferentes estruturas. Sabe-se que este tecido é um importante reservatório de água e os ions para os tecidos circundantes. Ele também pode funcionar como um reservatório para acumular e remover os vários produtos de degradação e substâncias tóxicas.

Analisando a estrutura da fáscia profunda constata-se que esta é formada por duas a três camadas de fibras de colágeno. Todas densamente empacotadas, em conjunto com algumas fibras elásticas dispersas. Uma camada de tecido conjuntivo frouxo estava presente entre essas camadas fibrosas.

O objetivo do artigo aqui apresentado foi examinar de perto estas camadas de tecido conjuntivo frouxo encontradas dentro fáscia profunda e, em especial, avaliar a distribuição de ácido hialurônico (AH) em associação com estas estruturas.

Screenshot at ago 28 15-35-03-2

O AH tem uma ampla variedade de funções no corpo. Age como um amortecedor de choques (fluido sinovial), um agente de fornecimento de turgescência e de enchimento do espaço do tecido (os fluidos aquosos das câmaras anterior e posterior do olho), como um agente protetor para evitar a compressão vascular, como um lubrificante e como um escudo de proteção.

O AH entre a fáscia e os feixes musculares e a sua presença difundida no perimísio e endomísio pode proporcionar planos de movimento potencial, e parece funcionar assim como um importante lubrificante.

Dados sugerem que não existem grandes variações na espessura das camadas fasciais entre os pacientes e que nem existem grandes diferenças na histologia.

A retenção de AH após o exercício, em combinação com uma localização endomisial apóia o conceito de que o AH não só lubrifica, mas também facilita os movimentos entre as fibras musculares.

Assim, sabe-se que o AH é um dos elementos mais importantes que determina a viscoelasticidade de um tecido. Sua presença importante dentro da fáscia pode nos permitir supor que a sua alteração pode modificar a ativação dos receptores dentro da fáscia. Esta poderia ser a origem do fenômeno comum de dor miofascial.

 

oclusão dentária
O Que é uma Boa Oclusão?

O quanto as alterações oclusivas podem desequilibrar o corpo? Será que 0.3mm podem determinar dores pelo corpo?

Uma das principais bandeiras levantadas pelo Conceito SIn é a integração entre os diferentes profissionais de saúde. A fisioterapia e a odontologia nunca estiveram tão próximas como agora. O entendimento da oclusão é fundamental para a fisioterapia neste contexto.

Um dos fatores que determinam uma boa oclusão dentária é a relação de contato entre as superfícies de mastigação dos dentes superiores com os inferiores. Esta é, sem dúvida alguma, uma das variáveis mais importantes no planejamento de tratamentos odontológicos, sejam eles, restauradores, protéticos e ortodônticos.

A oclusão dentária pode ser “patogênica” ou “fisiológica”. Uma oclusão fisiológica é quando há uma harmonia com as funções do sistema mastigatório’.  Uma oclusão patogênica é um” funcionamento oclusal capaz de produzir alterações patológicas do sistema estomatognático, incluindo danos aos dentes.

A relação cúspide-fossa distribui as cargas oclusais. A eficiência mastigatória é desejavelmente maximizada pela quantidade de cúspides na superfícies oclusal. As cúspides aumentam o tamanho da área de contato oclusal das coroas dos dentes posteriores e assim dissipam eficazmente as forças.

Screenshot at ago 12 17-52-52

A força gerada em cada cúspide deve ser menor que a força gerada pelos músculos. Por conta disso, quanto maior o número de cúspides melhor será este mecanismo. Com isso, os tecidos periodontais sofrerão menos estresses. Logo, quanto maior a área de contato oclusal (cúspide – sulco), menor serão as forças exercidas sobre os dentes.

A estabilidade oclusal e a soma dos contatos dentários impedirão ainda os movimentos entre os dentes durante o fechamento da boca.

O equilíbrio mandibular é o estado de posicionamento da mandíbula, incluindo os dentes e ATM’s. Para manter a mandíbula nesta posição, o apoio oclusal posterior tem um papel dominante. A atividade muscular se torna diminuída quando não há apoio molar.

Muitos estudos ainda tem demonstrado que o padrão de movimento mastigatorio reflete o padrão individual de orientação oclusal. No mascar, durante o fechamento, as cúspides vestibulares dos dentes superiores fornecer orientação, e durante a abertura, as cúspides linguais do lado da mastigação pode não entrar em contato, ou pode haver um contato ligeiro. Indivíduos com má oclusão tem padrões de mastigação mais irregulares.

A atividade aferente dos componentes periodontais são de extrema importância na função muscular e na posição mandibular. Os contatos oclusais serão importantes na distribuição das cargas e no deslizamento dos dentes durante a mastigação.

Logo, o componente de uma cúspide ou uma fossa tem um papel na gestão de distribuição de carga na oclusão e orientação oclusal.

Fato preponderante na análise complementar da anatomia dentária será o papel que ela representará no equilíbrio estático e dinâmico do corpo. Estudos científicos desenvolvidos pelo Dr. Leonardo Machado, idealizador do Conceito SIn, através de análises eletromiográficas, eletrocinesiográficas e baropodométricas, tem revelado que simples mudanças milimétricas na forma e altura dos dentes representam repercussões importantes para o sistema muscular de todo o corpo.

Receber o artigo acima na íntegra não deixe de preencher os seus dados abaixo!

Dores Viscerais: Quais Influências sobre o Corpo?

Você já ouviu falar de dispepsia funcional? Você sabia que é uma das condições clínicas mais comuns encontradas por gastroenterologistas em todo o mundo? E o que isso tem a ver com as repercussões corporais? Acredite…muito!

Os sintomas da dispepsia funcional são variados e incluem a sensação de plenitude abdominal pós-refeição, inchaço, saciedade precoce, náusea e vômitos. A marca principal da dispepsia funcional, é a presença de dores viscerais ou desconforto persistente ou recorrente centrado no abdome superior para a qual não existe uma causa orgânica.

Durante décadas, os especialistas rotulavam esses pacientes como simuladores ou como tendo algum tipo de transtorno de somatização. No entanto, foi somente durante a última década que tentativas foram feitas para elucidar a verdadeira origem desta disfunção.

Um dos mecanimos que nos chama a atenção na dispepsia funcional é a hipersensibilidade visceral.

A prevalência de hipersensibilidade a distensão gástrica tem sido relatada como sendo da ordem de 30%-40%.

A percepção de dor somática envolve uma cadeia de três neurônios. O sinal é iniciado com os receptores sensoriais da mucosa, a camada de músculo ou serosas e retransmitidas através de neurônios aferentes primários intrínsecas, neurônios sensoriais aferentes vagais ou espinais, para os neurônios de segunda ordem do sistema nervoso entérico, tronco cerebral ou da medula espinal.

Enquanto a maioria dos estudos envolveram estímulos mecânicos, tais como distensão, existe evidência de sensibilidade a outros estímulos. E o que isso significará? Uma série de adaptações corporais para cada estímulo!

E como descobrir as dores viscerais em questão?

Através de uma análise qualitativa dos movimentos corporais. O corpo irá se proteger mediante tais agressões e dores viscerais. No entanto, a busca dessas tensões através da análise da flexibilidade tende a se mostrar ineficaz. Os testes desenvolvidos pelo Conceito SIn apontam, com precisão, a origem de todas essas perturbações.

Outra característica do fenômeno relacionado a dispepsia funcional, é a referência viscero-somática. A dor provocada por um determinado estímulo é experimentada em um local distante da sua aplicação.

Olha que interessante… Um estudo verificou a sensação somática pela imersão da mão em água fria, e descobriu que as pessoas com distúrbios gastrointestinais funcionais sentiram dor primeiro e tinha uma tolerância à dor menor do que no grupo controle normal.

Estes resultados sugerem, que a hipersensibilidade não é apenas um problema visceral, mas, talvez faça parte de uma disfunção sensorial muito mais generalizada. Isto poderia explicar como os pacientes com dispepsia funcional podem perceber dor a distância.

O nível de complexidade envolvido na sensação das dores viscerais só agora estão sendo plenamente compreendidas. Terapias destinadas a melhorar os órgão smais sensíveis como o intestino são cruciais.

Reflita um pouco agora. Como pensar em um tratamento que não seja integrativo na saúde? Esse é o Conceito SIn, um modelo de intervenção interdisciplinar e com resultados clínicos imediatos.

Quer receber, a partir de agora, conteúdo GRATUITO e DE VALOR em seu e-mail? Preencha o formulário abaixo!

Dentes: Integrando a Odontologia com a Fisioterapia

Você já parou para analisar a forma e o contato entre os dentes?

Será que interferências de contato entre os dentes podem causar desequilíbrios sobre o nosso corpo? A implantodontia vem crescendo de forma considerável no mundo todo e a necessidade de outros profissionais da saúde entenderem e interpretarem esta área aumenta proporcionalmente.

Implantes dentários deverão respeitar, ao máximo, as perfeições oclusivas e funcionais! Eventuais imperfeições jamais podem ser negligenciadas!

A forma de um dente significará a sua função, se a forma não estiver presente, automaticamente, a função não estará lá.

Em um sistema dentário normal, dentes superiores irão se conectar com os dentes inferiores em um padrão parecido com o de uma roda denteada. A interação natural das cúspides e fissuras é caracterizada por movimentos bem orientados entre essas superfícies. A excursão espacial dos dentes ocorre após a carga relacionada com a mastigação. Como pré-requisito, o periodonto possui propriedades elásticas e de absorção. A rede neuromuscular da função mastigatória é parcialmente coordenada com informações aferentes dos ligamentos periodontais. Os mecanoreceptores periodontais propiciarão ao sistema nervoso o feedback para a percepção sensorial e o controle motor.

Screenshot at jul 31 19-41-49-2

A informação propiciada pelos mecanorreceptores dentários é particularmente importante para o controle motor fino da mandíbula.

Mudanças posicionais do dente causadas pelo bolo alimentar são coordenadas e convertidas em sinais eferentes nas unidades motoras. Como resultado, a mastigação é ajustada para o local certo com as forças adequadas. Os mecanismos de feedback fisiológicos são associados a proteção dos dentes e estruturas periodontais de forças oclusivas excessivas que podem causar trauma aos tecidos de apoio e osso.

neurofisiologia da oclusão
Os mecanorreceptores dentários são fundamentais para o equilíbrio da mandíbula

A perda ou a extração dos dentes eliminará os receptores do ligamento periodontal. Isso tenderá a desconectar os caminhos de feedback neural. Devido a ausência desta função proprioceptiva, os implantes osteo-integradado mostram percepção ativa reduzida quando comparados aos dentes naturais e irão reagir de forma biomecânica e oclusiva diferentemente. Quanto mais limitado for o feedback periodontal, mais atenção será necessária para evitar contatos prematuros em restaurações defeituosas ou dentes maiores. Interferências oclusivas e traumas tem sido mais associados a doenças periodontais.

Tensões musculares relacionadas com a oclusão, disfunção craniomandibular e atividades parafuncionais, por sua vez, são fatores de risco para o zumbido, dor de cabeça e dor orofacial. Pacientes que usam implantes funcionalmente deficientes tendem a mostrar um aumento dos casos de bruxismo quando comparado a pacientes com próteses em bom funcionamento.

Como pôde ser demonstrado até aqui, o contato preciso dos dentes é condição fundamental para a função mastigatória. O mais importante é a detecção de tais problemas! Observar não só implantes mas também dentes normais.

O Conceito SIn está em acordo com os principais artigos científicos! Muitos sugerem uma participação significativa dos dentes nos sistemas musculares de todo o corpo. O que a ciência ainda não conseguiu mostrar é como essa relação pode ser descrita. Através de testes físicos qualitativos foi possível identificar um mapa representativo dos dentes com os sistemas cinéticos de movimentos. Isso significa por em evidência ajustes oclusais pelo dentista dentro de uma equipe interdisciplinar com fisioterapeutas e nutricionistas.

Preencha os seus dados logo abaixo e receba GRATUITAMENTE atualizações, dicas e  informações.
Pressão Abdominal: Tome Cuidado!

Imagine se você fosse agora para um restaurante e se fartasse de comer. O que você acha que deveria acontecer com o seu abdome?

Acertou se você disse que ele será distendido. Uma observação bem simples para evitar um aumento na pressão abdominal mas que em sua eventual incapacidade traria inúmeros transtornos para a nossa saúde.

Essa adaptação fisiológica de distensão abdominal pode ser dada, independente da quantidade de alimentos ingerida mas, principalmente, pela qualidade do alimento ingerido. Na prática clínica, muitos pacientes se queixam de quadros de distensão abdominal e que deixam de ser investigados pelos profissionais e quando o são, podem ser, muitas vezes mal compreendidos.

A relação entre a capacidade de distensão física e a acomodação neuromuscular deve ser a grande busca pelos profissionais de saúde para evitar o aumento da pressão abdominal.

O aumento do volume abdominal deve ser dado por uma acomodação de todas as paredes abdominais mas esta adaptação pode variar, dependendo da posição que a pessoa adote. Por exemplo: na posição em pé, o tônus abdominal anterior é maior e o diafragmático é menor do que na posição deitada, que é diametralmente inversa (exceto dos abdominais). É importante compreender que mesmo com esse tônus abdominal, ligeiramente elevado, o abdome vai e deverá ser distendido.

imagem artigo 3

As adaptações fisiológicas recém citadas são fundamentais para a prática clínica do fisioterapeuta e nutricionista. Para o fisioterapeuta fica a necessidade de permitir que as adaptações fisiológicas, frente ao aumento do volume abdominal, possam realmente de fato ocorrer. Quando isto não se dá, o objetivo terapêutico deverá ser o de relaxar, ao máximo, o ventre através de posturas de relaxamento ou através de técnicas de relaxamento sobre a linha alba, tal como são ensinadas na Formação através do Conceito SIn – Saúde Integrativa.

Dr Leonardo 14

Esta premissa terapêutica é fundamental! Durante muito tempo eu pratiquei e ensinei o relaxamento dos músculos posteriores do tronco mas eles só entravam em contração devido à uma não adaptação anterior. Foi a prática clínica aprofundada e mais criteriosa que me fizeram enxergar que o volume não deveria ser o principal critério a ser discutido e sim a pressão abdominal. A evidência em torno deste tema é simples e pode ser reforçada pelo fato de não encontrarmos, em nosso corpo, nenhum receptor volumétrico mas, ao contrário, encontraremos inúmeros receptores pressóricos.

Na integração com a nutrição e com a medicina devem ser discutidos os fatores responsáveis pela eventual distensão abdominal: aumento dos gases ao nível intestinal? Inflamação hepática? Aumento do volume uterino?

Por mais que a fisioterapia possa permitir a diminuição da pressão abdominal, a parceria com a medicina e nutrição são fundamentais para o restabelecimento da saúde plena. Tudo aquilo preconizado pelo Conceito SIn é a integração plena de todos os profissionais. Algo repetidamente abordado em seus cursos de formação!

Receba GRATUITAMENTE e em 1a mão, todo o conteúdo oferecido pelo Conceito SIn – Saúde Integrativa. Preencha agora os seus dados abaixo!
Qual é o Melhor Modelo de Saúde?

O raciocínio de um único modelo de saúde é muito simples, fácil e lógico, até que…

As suas dores são devidas à sua má postura!! Tudo passa pelo desalinhamento do corpo! Quantas vezes você já não disse isso para um paciente! Pois é, eu já fiz muito isso mas o trabalho aqui apresentado pelo respeitado autor e pesquisador Eyal Lederman, lhe fará refletir muito sobre essas questões e principalmente pelo modelo de saúde PEB (postural-estrutural-biomecânico).

O modelo de saúde PEB tende a levar em grande consideração aspectos como a avaliação postural na determinação da causa das dores, observar hipercifoses, hiperlordoses, assimetrias e outras alterações. Essas alterações tenderiam a gerar estresses alterados sobre as articulações e consequentemente os quadros dolorosos. Cabe aqui já uma primeira reflexão: O que esperar da coluna lombar de orientais? Eles já possuem um considerável apagamento da lordose. Seriam eles mais tendeciosos a sofrerem com dores na coluna?

Outros parâmetros normalmente implicados nesse conceito passam pela análise da flexibilidade e palpações na procura de estados de tensão muscular aumentados e rigidez excessiva.

A premissa básica então deste modelo é a de que através de procedimentos terapêuticos manuais os desalinhamentos seriam corrigidos e assim melhorariam a condição presente e preveniria episódios recorrentes.

Uma reflexão importante a ser colocada, neste momento, refere-se aos diferentes achados PEB encontrados em pacientes com dor. É comum notar, por exemplo, pacientes que sofram com dor lombar com fraqueza e atraso no recrutamento dos músculos abdominais mas será que eles são realmente a causa da dor?

Trabalhos chegam a apontar que 47-66% de casos de degeneração discal sejam devidos a fatores hereditários e ambientais enquanto apenas 2-10% poderiam ser explicados por estresses físicos.

back-pain-at-work-2

Agora você está se perguntando: ok, eu compreendo essas explicações mas…

Qual seria o melhor modelo de saúde a considerar na clínica do meu paciente?

Essa é a pergunta comumente levantada nos cursos. Surge nesse ponto a necessidade de considerar os fundamentos defendidos pelo Conceito SIn e as idéias apresentadas por Lederman.

Lederman defende através dos seus estudos a capacidade de adaptação biológica dos nossos tecidos. Esta adaptação estaria dentro de uma margem favorável que impede que os sintomas surjam. Tal premissa é fortemente apoiada pelos ideais do Conceito SIn. Dentro da nossa proposta há a necessidade de um conjunto de fatores que somados poderão ou não determinar dores e doenças.

A lógica de não se apoiar em apenas um componente da saúde física mas também em outros fatores como hábitos alimentares, mudanças no estilo de vida e implementações na inteligência emocional propicia um modelo de intervenção único e verdadeiramente global.

Receba GRATUITAMENTE dicas em seu e-mail preenchendo o formulário abaixo.